Quinta-feira, 31 de Maio de 2012

Artur Gandra manda pensar

Resumo: No passado dia 30 de Maio de 2012, o presidente da Junta-de-freguesia de Valadares promoveu um ataque ao Neoliberalismo sob a alçada do pensamento. Diz quem sabe, que a Matemática só serve para dar aulas ou para servir as tendências Neoliberais.

 

 

Artur Gandra, licenciado em direito, advogado e publicador (em colunas de jornal) com atividade na rádio e ex-jornalista é um comunicador da era moderna. A sua atividade profissional e o seu imperativo de consciência fizeram com que, mais tarde, se dedicasse à vida política. Hoje em dia é Presidente da junta-de-freguesia de Valadares. Sob o ponto de vista ideológico assume-se como um homem de esquerda e acredita na família como base de educação. Estruturou toda a sua personalidade segundo os seus ascendentes e particularmente segundo seu avô, um médico republicano e intervencionista que acabou por não conhecer. Reza a história que seu avô combateu diretamente o regime do Estado Novo que o próprio Artur Gandra repugna. Apesar de nunca o ter conhecido considera o avô um exemplo a seguir.

A sua ideologia política é sustentada pelo seu curso de direito embora acredite que as licenciaturas nesta área estão demasiadamente vocacionadas para a política. A atividade de jornalismo aliada à experiencia politica fez com que se tornasse um comunicador exímio. Com o amadurecimento, a sua vertente política foi gradualmente passando para a esquerda. Acredita na cultura e sua absorção referindo que os livros são a grande ferramenta no caminho do saber.

  • “A culpa de não existir cultura é da sociedade que não proporciona a cultura às pessoas. Há que disponibilizar todas as ferramentas culturais, a todo o cidadão, para que estes possam tomar melhores decisões.”

Assume ainda que, o sistema neoliberal que governa todo o mundo ocidental, pelo contrário, não pretende redistribuir a cultura pondo em causa leis fundamentais da teoria económica como por exemplo a oferta e a procura.

  • “A lei da oferta e procura não funciona. Os preços são sempres transviados de acordo com determinados interesses instalados”.

Artur Gandra acredita no estado social e responsabiliza uma vez mais o Neoliberalismo pelo fim desse estado acusando de ser o principal responsável pela instauração da crise bancária (crise do subprime em 2008). “Não existe carência de bens nem monetária, é tudo uma invenção das 500 maiores fortunas do mundo”, adianta. Os interesses instalados querem fazer acreditar na carência para que os mesmos bens possam ser vendidos mais caros.

De forma brilhante Artur Gandra afirma que o marketing foi a pior disciplina jamais inventada, está ao serviço do Neoliberalismo, diz. No entanto, pode redimir-se e promover a divulgação de um mundo melhor através da informação. Não faz sentido que, para aumentar a produtividade se tenha de aumentar o trabalho e que o trabalho nunca tenha valido tão pouco como vale hoje em dia, ou seja, o trabalho de hoje não serve para nada, pois a riqueza que cria é virtual.

  • “Hoje trabalhamos mais do que antigamente e recebemos menos.”

O conhecimento privilegiado de Artur Gandra leva-o a concluir que o Neoliberalismo deu uma facada no seu melhor amigo, o Capitalismo, porquê? A explicação não foi clara mas está associada com o fim dos partidos democratas-cristãos por essa Europa fora.

Dá ainda o exemplo da matemática e da televisão como fiéis servos das políticas neoliberais e defende que está na altura da televisão servir as pessoas dando-lhes, sem qualquer paternalismo, não a programação que o cidadão quer mas sim, a programação que o cidadão precisa. O que precisa a população? De conhecimento, mas sem matemática em exagero. Dar mais filosofia às crianças portuguesas é uma óbvia solução, aponta.

Artur Gandra é apologista de um estado forte que cobre impostos equilibrados mas que os distribua de forma correta e justa. Assume um ataque atual à classe média e acredita na redistribuição de dinheiro para esta classe, contrariando mais uma vez algumas das correntes económicas de maior eficiência. Um estado gestor é fundamental. Não acredita na má gestão e culpa a falta de seriedade para o insucesso empresas públicas.

  • “Muitas das empresas privadas possuem antigos gestores públicos que não se tornaram melhores gestores por mudarem de empresa.”

Assume erros do estado social mas imputa-os novamente o Neoliberalismo, claro! Para terminar, Artur Gandra acredita que as pessoas precisam de identidade e que energias renováveis são uma balela. Como um verdadeiro socialista inteligente de direito, rejeita qualquer atividade que promova o enriquecimento não humanista. Matemática, Economia, Marketing e Energia são definitivamente coisas do demónio neoliberal para Artur Gandra, um homem bom. Pensar é urgente!

publicado por Miguel Ferreira do Amaral às 13:56
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Artur Gandra a 14 de Junho de 2012 às 17:49
Agradeço a publicação esta publicação de parte do teor da minha intervenção que, todavia, merece um ou dois reparos: nunca classifiquei a matemática como só servindo para apoiar o neoliberalismo - isso seria uma tonteria! O que afirmei é que a actual primazia da matemática sobre a filosofia também serve tais fins. Outra ressalva: também nunca afirmei aque rejeito qualquer actividade que promova o enriquecimento. Não sou um radical, bem pelo contrário! Por fim, afirmei que o neoliberalismo deu uma facada no capitalismo porque exacerba o que este tem de pior e não aproveita o que tem de melhor, nomeadamente na criação de riqueza e, seu quisermos, na sua redistribuição mais equilibrada.


De Miguel Ferreira do Amaral a 21 de Junho de 2012 às 12:09
Caro Artur Gandra,

Muito obrigado pelo seu comentário e por nos esclarecer as imprecisões desta publicação. É para mim um orgulho assistir a cidadãos responsáveis na promoção do diálogo livre.


De Miguel Ferreira do Amaral a 21 de Junho de 2012 às 12:12
Reitero a comunidade de leitores que, a pedido da Universidade, esta publicação foi desinstitucionalizada sendo eu próprio o único responsável pelo seu conteúdo.


Comentar post

“Os bajuladores são honrados e os homens de bem sujeitados. O mesmo arbítrio reina nos decretos do povo e nas ordens dos tiranos. Trata-se dos mesmos costumes. O que fazem os bajuladores da corte junto a estes, fazem os demagogos junto ao povo.”, Aristóteles.
democraciadasfalacias@sapo.pt

.Gente falaciosa

 

.Últimos decretos

. Empreendedorismo jovem

. A web de hoje e a web de ...

. Que ando eu a fazer?

. Para quando o capitalismo...

. Artur Gandra manda pensar

. O queixume.

. Para que a Democracia não...

. The Great Pretender

. Mais uma falácia da democ...

. O verdadeiro Serviço Públ...

.Últimos comentários

Putz! Salariões, hein?Muito mais altos do que na E...
Este artigo é pura ignorância. Dar aulas é uma peq...
Uma coisa que os acordistas não sabem (ou não quer...
Lamento tanta asneira e desconhecimento... o que p...
É pena tanta ignorância e demagogia ... O autor de...
D.Cecília peço desculpa mas não concordo consigo. ...
Olá! Sou brasileiro e, até então, contra ao Acordo...
Estive a reler o artigo que originou esses folheto...
http://www.facebook.com/groups/367844474926/?fref=...
Razão n.º 1 – O novo acordo ortográfico NÃO promov...

.Mais comentados

.Pastas

. todas as tags

.Arquivo

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Ligações