Quinta-feira, 8 de Março de 2012

Dia da Mulher.

 

Uma das maiores falácias nos calendários Portugueses, alem do carnaval, é o dia internacional da mulher. Nascido de uma revolução industrial, que faz emergir não só a afirmação das mulheres mas toda uma visão, um conceito de cidadão transcendente ao género, de direitos iguais e oportunidades. (em Portugal é consagrado pela constituição, a titulo de  exemplo, no artigo 13 o principio da igualdade, ou nos artigos 58 e 59 Direitos do trabalho e dos trabalhadores.)

Contudo é na concomitância deste dia com a lei da Paridade que a falacia nasce. Paridade por si só sugere uma igualdade (a busca dessa igualdade em direitos, motiva as primeiras lutas que mais tarde fundamentam o dia da mulher), mas como pode ser isso possível quando esta lei sugere cortes nas subvenções ás campanhas se não se cumprir os 33.33% de pelo menos um dos sexos nas listas? 33.33% obrigatórios não me sugere paridade. A lei, claramente criada com o intuito de incluir mais mulheres na esfera politica, não pondera a igualdade dos sexos na capacidade de luta politica e civil, impondo, obrigatoriedades na constituição das listas propostas ao voto do comum cidadão, cidadão esse que não se distingue por género, como deveria acontecer nos cargos políticos.

Obviamente compreendo que a vida politica nacional nas ultimas décadas ou até seculos não tem incluído mulheres no cerne de decisão  nacional, devido a uma herança histórica carregada de absolutismos, mas as mulheres actualmente são ouvidas no seu voto, alias, os cidadãos expressam-se no voto sendo homem ou mulher. Após 6 anos de lei em vigor e com resultados óbvios, não na paridade, mas na presença de mulheres na politica,  Não deveriam as mulheres passar a conquistar esse lugar na politica em igualdade com o sexo oposto como vêm conquistando em todos os outros lugares da sociedade? Não deveria ser a escolha politica isenta desta espécie de condicionalismos? Como podemos falar em igualdade quando distinguimos géneros na representação politica e os tratamos por quotas?

Depreendo com objetividade que a maioria dos argumentos fundadores deste dia (para nós actualmente comercial) ainda não abraçam todos os recantos do globo, argumentos adormecidos nos recônditos da mente, pessoas a que ocidentalmente, por vezes de forma barbara, chamamos retrógrados, esbarrando em seculos de tradições, almejando um dia um consenso mental e apaziguador do ainda recente choque entre tradição e direitos, não só do homem ou da mulher mas humanos.

publicado por João Ginja Rebelo às 15:29
link do post | comentar | favorito
“Os bajuladores são honrados e os homens de bem sujeitados. O mesmo arbítrio reina nos decretos do povo e nas ordens dos tiranos. Trata-se dos mesmos costumes. O que fazem os bajuladores da corte junto a estes, fazem os demagogos junto ao povo.”, Aristóteles.
democraciadasfalacias@sapo.pt

.Gente falaciosa

 

.Últimos decretos

. Empreendedorismo jovem

. A web de hoje e a web de ...

. Que ando eu a fazer?

. Para quando o capitalismo...

. Artur Gandra manda pensar

. O queixume.

. Para que a Democracia não...

. The Great Pretender

. Mais uma falácia da democ...

. O verdadeiro Serviço Públ...

.Últimos comentários

Putz! Salariões, hein?Muito mais altos do que na E...
Este artigo é pura ignorância. Dar aulas é uma peq...
Uma coisa que os acordistas não sabem (ou não quer...
Lamento tanta asneira e desconhecimento... o que p...
É pena tanta ignorância e demagogia ... O autor de...
D.Cecília peço desculpa mas não concordo consigo. ...
Olá! Sou brasileiro e, até então, contra ao Acordo...
Estive a reler o artigo que originou esses folheto...
http://www.facebook.com/groups/367844474926/?fref=...
Razão n.º 1 – O novo acordo ortográfico NÃO promov...

.Mais comentados

.Pastas

. todas as tags

.Arquivo

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Ligações